terça-feira, 10 de março de 2015

O Mensageiro do Deserto [Douglas Reis]

Venho aqui apresentar a vocês minha terceira leitura desse ano, que por coincidência é o livro do ano dos Jovens Adventistas. Levar uma vida sem referências é algo confuso e bem perigoso, precisamos de alguém que nos conduza ao caminho confiável. Preciso compartilhar com vocês alguns pontos que julgo ser interessantes.
A história de nosso profeta do deserto, começa bem antes do seu nascimento, começou quando um anjo veio conversar com seu pai sobre o ocorrido. Zacarias, pai de João Batista, não deu muita credibilidade para a notícia, resultado, ficou mudo durante toda a gestação de sua esposa. Existe um detalhe bem importante que sempre esquecemos é que precisamos aprender a ouvir mais, não é atoa que fomos criados com apenas uma boca e dois ouvidos. "Quando o Senhor levanta a voz, o silêncio humano deixa de ser mero requisito para tornar-se o habitat do sábio."
Hoje temos um cotidiano bem intenso, se fazemos poucas atividades somos considerados vagabundos, mas se queremos fazer tudo nesse "mundão" somos chamados de viciados em trabalho, "workaholic". Vivemos em prol de um pequeno objeto de grande valia, que chamamos de relógio. É ele quem dita as regras do jogo, temos a esperança de quem sabe um dia poder controlá-lo, doce ilusão. Buscamos status, dinheiro, valorização e acaba não sobrando tempo para as prioridades de um cristão. "O sonho brasileiro é o pesadelo que impede a muitos de sonhar com o Céu."
Julgar, sem conhecer é complicado. Todos nós temos um pré-conceito sobre qualquer assunto, você pode não ter estudado sobre isso, mas terá sua opinião. Essa era a parte difícil, João não era alguém que andava conforme a moda da época, para um profeta o seu esteriótipo dizia ao contrário. Vemos aqui um homem que escolheu servir a Deus à roupas, "retornar para Deus implica abandonar a rota escolhida pelos próprios pés." "Nosso chamado só faz sentido se nos humilharmos e anunciarmos a mensagem, que não é fruto de imaginação."
Ainda tenho tanta coisa para comentar sobre o livro, mas não teria graça, você precisa ler e tirar as suas próprias conclusões. Mas devo fechar com o que mais me impressionou, Jesus é o remédio que a humanidade precisa.

Até o próximo post!